Produtos

CANOCO DE UL - MCA

Tipo

Produtos de padaria, de pastelaria, de confeitaria ou da indústria de bolachas e biscoitos

Região

Norte

Descrição

O “canoco de Ul” é um pão de trigo tradicional, produzido com farinha de trigo tipo 80 (sêmea e rolão de trigo), com a forma ovalada, de base plana, por vezes com chanfro na côdea macia e miolo com alvéolos de tamanho pequeno. Todo o processo é efectuado de forma tradicional, sendo os canocos cozidos em fornos de lenha.

História

Oliveira de Azeméis tem enraizado nas suas tradições e cultura, os rios, os moinhos de água, os moleiros, o descasque do arroz e as padeiras e os seus Pão de Ul, Canoco de Ul e Regueifa de Ul. É na freguesia de Ul que os moleiros e as padeiras se tornam cúmplices não só em termos económicos, mas também sociais, uma vez que o casamento entre moleiros e padeiras se tornou comum. Estes casamentos originaram gerações e gerações de artes e ofícios familiares que asseguravam a reprodução social e económica da região, pois os filhos eram moleiros, como os pais e as filhas padeiras, como as mães. Nesta terra as padeiras produziam e continuam a produzir o chamado “Pão de Ul” a” Regueifa de Ul” e o “Canoco de Ul”, sendo inicialmente este último o pão para a família e não para a venda, uma vez que era feito com o aproveitamento dos “restos” da peneiração da farinha. A confecção destes produtos resulta, como dito anteriormente, de uma tradição ancestral, geralmente herdada de mães para filhas, sendo uma actividade reservada quase exclusivamente às mulheres, numa estreita relação com as demais tarefas domésticas, nomeadamente, a preparação das refeições. Este facto pode justificar a preservação desta tradição, sobretudo na geração de mulheres com idade superior a sessenta anos, com pouca instrução, e que se foram conservando no espaço doméstico, adquirindo os saberes transmitidos pelas suas mães.

Saber fazer

É recorrente no discurso das padeiras a referência à herança desse saber, transmitido de avós para as mães, ou directamente para as netas, no recato do lar, até chegar aos dias de hoje. O processo de fabrico destes produtos e as algumas memórias são contados pelas padeiras no livro “Memórias das Águas do Rio – Moinhos, Moleiros e Padeiras da Freguesia de Ul”, da autoria de António Afonso de Deus, Ana Durão Machado e Luís Manuel de Sousa Martins, editado em 2003. Alicita do Rojão (nascida em 1955), “Comecei pequenita, andava na escola e já ajudava. Na altura, era a minha mãe e as minhas tias. Agora já faleceu tudo, da família sou só eu que vou cozendo” Fernanda Damas (nascida em 1952), “O meu pai era moleiro, queria que fosse padeira. Fazia-me ir ajudar esta e aquela. Só para ver se eu gostava da vida de padeira”. Tia São do Aniceto (nascida em 1933), “Agora já há muitas padeiras que têm máquinas para amassar. Mas, eu aqui é tudo à mão, não tenho máquina nenhuma. Amassar ainda agora custa, já tenho uma idade avançada e canso-me…” Celeste Maquelino (nascida em 1947), “A minha mãe era padeira, a gente já andava de volta dela e começámos a aprender. As minhas irmãs, também foi mais ou menos como eu… Além de sermos padeiras, tínhamos os moinhos, as terras, as vacas…” Lurdes Resende (nascida em 1953), “Era obrigada a aprender, era preciso ajudar. Eu nasci aqui no meio do trabalho, acho que já ajudava muito. Depois ainda tentei sair, porque isto era uma vida trabalhosa, mas tive de voltar.” Encarnação Marques (nascida em 1929), “Tinha muita família como padeira, eu nem me puxava nada disto, mas a minha mãezinha não tinha mais ninguém que a ajudasse. Não gostava muito, mas depois fiquei nisto”. Como podemos também ler neste livro, conversando com as padeiras e com o conhecimento do processo de fabrico, os horários são semelhantes a quase todas as padeiras. Levantam-se perto das 3h da manhã, ou mais cedo ao fim de semana que as encomendas são maiores, raramente têm dias de folga e férias, só as mais novas é que o fazem pois normalmente não estão sozinhas no negócio! O dia de uma padeira começa por amassar e aceder o forno, cozer o pão e de seguida a venda do mesmo, que se faz na própria padaria e com a distribuição pelos clientes “porta a porta”. A limpeza dos utensílios e instrumentos de trabalho e o tratamento da lenha para o dia seguinte é mais uma das tarefas incluídas neste processo. O dia já vai na hora de almoço quando deixam de ser padeiras e se dedicam à lida da casa, à assistência à família, e algumas ao cultivo de terras e criação de animais. Para além da venda habitual, estes produtos são consumidos mais intensamente, em Ul, durante a Festa da Senhora das Candeias e de São Brás, nos dias 2 e 3 de Fevereiro, ou no primeiro domingo após esta data. O cheiro a pão espalha-se pela freguesia nestes dias. Noutras localidades é usual as encomendas particulares aumentarem na realização de festas ou comemorações. No centro de Oliveira de Azeméis realiza-se há 20 anos, em meados de Maio, o “Mercado à Moda Antiga”, evento que pretende reviver o mercado que se realizava há mais de 100 anos, na então "Praça dos Vales", onde gentes de todas as freguesias do concelho, e de zonas limítrofes, se deslocavam para venderem os produtos da terra, sobretudo produtos agrícolas. As padeiras exemplificam ao vivo, durante dois dias, a sua arte, não tendo “mãos a medir”, cozendo o dia inteiro para dar resposta a todos os pedidos dos “amantes” do pão e das tasquinhas de comes e bebes que não querem outro pão para servir aos seus clientes.

Área geográfica de produção

Distritos

AVEIRO

Concelhos

OLIVEIRA DE AZEMEIS

Freguesias

UL

Ingredientes

Rolão de Trigo

Sêmea de Trigo

Água

Fermento de padeiro

Sal

Forma

OVAL

Largura

de 11,00 a 13,00 cm

Comprimento

de 13,00 a 15,00 cm

Peso

de 145,00kg a 415,00kg

Cor Exterior

BRANCO-AMARELADO

Textura Exterior

FIRME

Cor Interior

BRANCO-AMARELADO

Produto

- IGP

O Folar de Valpaços é um produto de panificação recheado com carne de porco gorda e/ou entremeada salgada e seca (não fumada), barriga de porco salgada e seca (não fumada), enchidos de porco fumados (salpicão e linguiça), presunto de porco curado pelo fumo ou de cura natural e/ou pá de porco fumada. Ao corte são perceptíveis pedaços dispersos e irregulares das carnes que compõem o recheio e que visualmente compõem um mosaico colorido em que se distinguem as diferentes cores das mesmas. É cozido em formas individuais.

Produto

PASTEL DE CHAVES - IGP

O «Pastel de Chaves» é um produto de pastelaria constituído por massa finamente folhada, recheada com um preparado à base de carne de vitela picada. Apresenta textura exterior firme e estaladiça contrastando fortemente com a textura do recheio que é espesso, macio, húmido, suculento e fundente. Ao corte vertical, a massa apresenta um conjunto de lâminas muito finas, o que confere ao pastel um aspeto finamente folhado. A porção superior da massa apresenta uma cor amarelo-dourado que contrasta com a porção inferior levemente humedecida e escurecida pelo picado de carne. Numa posição central surge o recheio que apresenta um aspeto heterogéneo, resultante dos diversos ingredientes que o compõem, sendo reconhecíveis pedaços de carne e de cebola.

© Copyright 2022 ptpt.pt